9.1.08

Chamei o síndico pra minha cabeceira...

É muito provável que você já tenha lido um rosário de elogios à biografia de Tim Maia, escrita por Nelson Motta. Mas não me custa dizer, aqui no meu canto, que o livro é mesmo um primor! A narrativa do Nelson é deliciosa e Tim, um personagem marcante, com todas as contradições, loucuras, defeitos e qualidades que fazem um mito se tornar tão humano quantos nós, fãs e simples mortais!
Felizmente, tô ainda longe do fim da história. Mas já tenho dado boas risadas ao conhecer o esforço que o pai do soul brasileiro fez para conseguir uma mãozinha dos ex-parceiros e Erasmo e Roberto Carlos no auge do sucesso da Jovem Guarda. É delicioso ver a pontinha de inveja que corroía o gordinho, negro e desajeitado tijucano, que se sabia dono de uma voz muito maior e mais marcante que a do futuro Rei, bicho.
Pedidaça pra você que, como eu, não dispensa uma boa leitura nas férias. Ou melhor, em qualquer parte do ano...
Postar um comentário