22.1.08

Viajei 200 anos na prateleira da livraria...

Por conta do bicentenário da chegada da Família Real ao Brasil, pipocam nas prateleiras das livrarias vários lançamentos interessantes que, de uma forma ou de outra, tratam do assunto. Ontem, enquanto esperava o início da sessão no cinema, não deu outra: entrei numa tentadora mega-store e saí com dois livros na sacola!
Um deles comecei a ler ontem mesmo, ainda no shopping, enquanto as mocinhas faziam compras. "Era no tempo do rei - Um romance da chegada da Corte", de Ruy Castro, é uma ficção deliciosa, daquelas que mistura personagens e situações reais às mirabolantes criações do escritor. E que escritor! Sou fã do Ruy desde que li as biografias de Carmen Miranda e Garrincha. Puro talento!
Em "Era no tempo do rei", Ruy Castro mergulha no universo de "Memórias de um Sargento de Milícias", de Manuel Antônio de Almeida - aquele livro que, se você tem a minha idade, provavelmente leu por obrigação no colégio ou para o vestibular. Assim, Ruy narra o fictício encontro entre Leonardo - o protagonista da obra de Manuel Antônio de Almeida - e D. Pedro 1º, ambos ainda na infância, no auge da época das traquinagens!
Minha leitura ainda está muito no início, lá pela página 40, mas já me encantei com a envolvente narrativa do Ruy - o que, aliás, não é supresa; com a linguagem utilizada nela - uma clara alusão à empregada em "Memórias de um Sargento de Milícias"; e com o capricho na pesquisa para a realização do livro. Há uma sessão, por exemplo, que compara o Rio de "Era no tempo do rei" ao Rio de hoje, atualizando nomes de ruas, praças e outros logradouros. Lá eu descobri que os Arcos da Lapa eram conhecidos, nos idos do século XIX, como Arcos da Carioca. E que o tradicional bairro do Santo Cristo já teve a alcunha de Saco do Alferes...
Boa dica pra quem gosta de História e, principalmente, de um romance bem escrito...
Postar um comentário