13.6.09

Retrato*

O tempo acerta tudo. Acalma as tempestades, abranda as intempéries do mar e as angústias de nossas almas. Faz os sentimentos acentarem, deixarem os tons mais fortes e ganharem cores mais brandas...
Sim, a tranquilidade que vivo pode ser comparada a um quadro em tons pastéis. Não me recinto mais do que me falta; alegro-me com o que tenho agora e com tudo o que já vivi. Mudei o foco; deixei de dar mais espaço às minhas necessidades para experimentar as delícias com as quais a vida tem me presenteado.
As dores de antes parecem ridículas. Os sentimentos de antes, contraditórios e tão intensos, acalmaram-se. Trago todos comigo, num lugar qualquer de mim, mas não me preocupo mais em reafirmá-los e mantê-los vivos a todo instante.
O tempo acerta tudo. O tempo, em mim, acertou tudo! Fez de mim conselheiro dos amores alheios, para, talvez, me ensinar mais sobre os meus próprios sentimentos. Para que eu tenha certeza dos meus desejos e do que me é indesejado. E, sobretudo, para que eu saiba ser a minha melhor e mais fiel companhia. Nesse e em todos os outros dias...
E quando vier alguém, se um dia vier, tudo será diferente.
Ou não.
Afinal, a única constância nesse mundo é a mudança...

*Esse seria o post para o Dia dos Namorados. Na verdade, uma reflexão bem pessoal. Coisa de quem não se sentiu deprimido por viver, só, um dia pensado para ser vivido a dois...
Postar um comentário