1.10.07

João-sem-braço

Não sei se essa ela é tipicamente carioca, tampouco sei se foi aqui no Rio que surgiu a tal expressão que dá título a este post. Mas, caro leitor, seja você carioca ou fluminense; enfim, brasileiro de qualquer canto, atenção: as empresas adoram dar uma de joão-sem-braço em cima de nós, pobres clientes.
Primeiro, vamos explicar o que quer dizer a tal expressão. João-sem-braço é aquele famoso golpe que o malandro dá como quem não quer nada, adotando a igualmente velha tática do "se colar, colou..."
Pois bem, passadas as explicações, vamos aos fatos! Há três meses, aquela empresa de telefonia fixa que usa como nome o antônimo da saudação que todos nós, clientes, gostaríamos de dar a ela; sim, a empresa me enviou contas com uma cobrança indevida de mais de 60 mangos, relativas a ligações supostamente realizadas da minha linha para celulares. A-ha: eu nunca ligo pra celular do meu telefone fixo! Mas, ainda assim, me dei ao trabalho de conferir os números (todos desconhecidos!!!) liguei pra companhia, reclamei e o valor foi prontamente subtraído da minha conta. No mês seguinte, tcha-rã: mais 40 pilas em cobrança de telefonemas para os celulares. Aí, caros, nem conferi: liguei e detonei geral! Novamente a cobrança foi deduzida do valor total da fatura. No mês passado, eles tentaram a última cartada: apenas 6 reais em ligações surrupiadas na minha conta. Pensam que abri mão? Na-na-ni-na-não!!! Era pouco mas era meu!
Também recentemente, quase caí em outro caô. A empresa de TV por assinatura, misteriosamente, mandou duas faturas para débito na minha conta corrente. Meu banco (sabiamente) impediu que o débito duplicado fosse efetuado. Aí começou uma briga das boas: a empresa cortava meu sinal, eu ligava, bronqueava e eles religavam.Eu pedia uma nova fatura, com data atualizada para efetuar o pagamento; eles mandavam, com a data vencida (que banco nenhum aceitava mais). Passou-se um mês e acabei pagando, no mês passado, um valor relativo a dois meses.
Pensam que acabou? Na-na-ni-na-não!!! Eles também tentaram a última cartada!
Hoje, chego do trabalho e me deparo com uma fatura exorbitante! Com várias taxas de reconexão! Mais de 420 reales! Pirei na batatinha, liguei pra companhia, evoquei o santo nome do Procon, afirmei categoricamente que não pagaria nenhuma das taxas absurdas (e realmente ia mandar tudo pro pau!) quando, tcha-rã: a moça reconheceu a cobrança indevida e reduziu o valor a menos de 1/3 do cobrado na boleta-maldita.
Conclusão: cliente que cala e não confere as cobranças, meus caros, fica com a bundinha na janela pra qualquer empresa escrota passar a mão! Ou fazer bem pior...
Mas comigo não, violão! Comigo João-sem-braço não tem vez! E o "se colar, colou" nunca cola!
Bom, depois do desabafo do consumidor-emputecido que há dentro do blogueiro, voltaremos em instantes com a nossa programação normal...
Postar um comentário