22.10.07

Guerra pela informação nas noites de domingo

Revistas eletrônicas semanais da Globo e da Record utilizam a mesma fórmula, falam para o mesmo público e, muitas vezes, levam ao ar pautas idênticas...

Muito se tem falado sobre o fato de a Rede Record copiar a grade de programação da Rede Globo. Acho que ninguém, em sã consciência, pode negar que o modelo da Vênus Platinada foi parar na tela da TV do Bispo Macedo. E isso não é demérito algum: Sílvio Santos sempre colocou na tela do SBT cópias deslavadas dos programas estrangeiros (o maior exemplo, talvez, seja a Casa dos Artistas, que chegou a furar o orginal Big Brother). Sem falar em outro mestre da televisão, Chacrinha, que já dizia que "na TV nada se cria, tudo se copia".
No domingo da Record, há uma versão do Fantástico global. E ela vai ao ar antes. E, vez por outra, com pautas muito parecidas com as da "atração inspiradora". Ontem, o Fantástico tinha uma matéria sobre a operação policial na Favela da Coréia, na Zona Oeste do Rio. E seu clone, o Domingo Espetacular, também.
Na Globo, a matéria abriu o jornalístico comandado por Pedro Bial e Glória Maria. Na Record, Lorena Calábria, Janine Borba e Paulo Henrique Amorim encerraram o programa mostrando uma reportagem sobre o mesmo assunto. E foi o próprio Paulo Henrique o responsável pelo trabalho. Escolado, o jornalista veio ao Rio, entrevistou a mãe da criança morta durante o confronto entre os policiais e os traficantes e o secretário de segurança do estado. O resultado? Uma matéria forte, humana e que demonstrou o que todo o cidadão carioca já deve estar farto de saber: no ponto em que estamos, é quase utópico pensar numa solução para a questão da segurança pública sem pensar, também, em derramamento de sangue. Cabe, apenas, pressionar para que o sangue de inocentes não seja derramado.
Gol da Record e de seu Fantástico clonado!
Postar um comentário