13.12.09

Sobre o Nove + 1 de Ana Carolina...

Ana Carolina tem um talento incontestável. E também não se pode negar a irregularidade de sua discografia. Autora de belas canções e baladas inesquecíveis, a mineira derrapa com certa frequência na gritaria e na produção de versos quase incompreensíveis, como os de Elevador e Rosas. Sem falar em sambinhas gostosos como Cabide, dado a Martinália...
Pra mim, o saldo de Ana é positivo, embora não tenha comprado os dois últimos lançamentos da artista.
Mas na sexta, ao entrar numa megastore, eu me deparei com um novo lançamento: Nove + 1, pelo selo Multishow Registro. Disponível em cd e dvd, a novidade de Ana Carolina vem para celebrar os 10 anos de carreira da artista. Não resisti e comprei! E fiz um bom negócio!
A produção do dvd é irretocável! Gravado num casarão do Alto da Boa Vista, no Rio, o vídeo tem fotografia, cenografia e iluminação belíssimas, que fogem da obviedade do registro no palco ou no estúdio - um desejo revelado pela cantora já no making of. Mas de nada vale uma bela embalagem se o conteúdo não for dos melhores e, também nesse quesito, Ana não deixou a desejar: recrutou um time de primeiríssima para dividir as canções do repertório: Bethânia, Gil, Roberta Sá, Angela Ro Ro, Luiz Melodia, Seu Jorge, Maria Gadú e Zizi Possi são os destaques.
Já na primeira audição do cd, ainda no carro, voltando pra casa, fui fisgado pelos sambinhas. Cabide Ana canta com Luiz Melodia. É um registro malemolente, malandro, bem no clima da letra. Gostoso de ouvir. Milhares de Sambas, de letra muito bonitinha, ganha muito charme com a presença luminosa de Roberta Sá - num dos melhores momentos do disco. Gilberto Gil canta seu Torpedo com Ana, numa gravação também alto-astral, embora o samba não me contagie muito.
Com Angela Ro Ro, Ana reafirma seu desejo por Homens e Mulheres com uma mistura de bolero e tango, em outro bom momento do projeto. Tá rindo é? marca a volta da parceria de sucesso da mineira com Seu Jorge, em mais um sambinha gostoso de ouvir, com letra que parece traçar uma crônica do cotidiano. Com Bethânia, Ana divide Eu que não sei quase nada do mar, composta para a baiana. O dueto é correto, mas não chega a envolver. Talvez pelo fato de ambas já terem cantado muito a canção em projetos recentes. Uma dose de frescor na escolha da canção a ser divida com Bethânia teria sido salutar...
E dois dos meus momentos preferidos do disco são as baladas. Zizi Possi é saudada por Ana Carolina no making of do dvd por ter feito o registro definitivo da bela Ruas de Outono, que ganha muito com a interpretação delicada e certeira de Zizi. O encontro das duas na canção é realmente muito sensível. Com a revelação Maria Gadú, Ana Carolina divide um blues, Mais que a mim, bem bonito e inspirado - com as duas cantando lindamente - embora, se eu pudesse escolher, teria optado por menos arroubos vocais nos refrões. Arroubos que não chegam a tirar a beleza do dueto e da música.
Nove + 1, na minha opinião, é um acerto na discografia de Ana Carolina. Até mesmo por representar uma fuga da obviedade que seria lançar um dvd com seus grandes sucessos gravados ao vivo.
Recomendo!
Postar um comentário