31.12.08

E Irene conhece, enfim, a verdadeira face de Flora...

Tecnicamente impecável, do texto à iluminação, cena do embate entre as personagens teve shows de Patrícia Pillar e Glória Menezes...

Elogiar a novela das oito já me parece chover no molhado, mas me sinto na obrigação de escrever algo sobre a excepcional cena de A Favorita, exibida no capítulo de ontem, em que Flora se mostra sem máscaras para Irene. Que prazer ver essas duas grandes atrizes vivendo momentos tão consagradores em suas carreiras televisivas. Brilhantes, Patrícia Pillar e Glória Menezes deram à sequência a exata carga dramática que ela exigia, sem dever nada e sem passar um milímetro que fosse do ponto certo.
Linda como sempre e canalha como nunca, Patrícia Pillar já fez de sua Flora uma das maiores vilãs da história das telenovelas brasileiras. Na cena em que se revelou para Irene, Flora chegou a fazer rir ao zombar da inocência da matriarca dos Fontini. Perfeita me parece ser o adjetivo mais acertado para qualificar o trabalho dessa grande atriz.
E o que dizer de Glória Menezes? Desde Laurinha Figueroa, de Rainha da Sucata, a televisão não reservava à essa estrela um papel digno do seu talento. Agora, com dona Irene, o atraso tem sido recompensado. Vivendo uma senhora que passou boa parte da história alheia ao que de fato se passava ao seu redor, Glória soube esperar o momento da virada de sua personagem para se valer do drama da mulher que descobre ter abrigado um monstro sob o próprio teto. O caminho mais fácil seria o de fazer de Irene uma coitada. Mas Glória Menezes optou pelo olhar sofrido, pela voz de quem vive a agonia de se perceber culpada por boa parte das tragédias que assolaram o destino de toda uma família. E a escolha não poderia ter sido mais feliz: Irene Fontini é o melhor trabalho da atriz em sua fase madura.
Por cenas como essa, A Favorita tem comprovado que é, sim, uma grande novela. E todos os que desacreditaram da novela no início, quando ela chegou a enfrentar problemas com a audiência, chegam ao fim do ano tendo que dar a mão à palmatória: estamos diante de um folhetim de primeiríssima categoria e, também, diante de mais um campeão de audiência.
PS.: Sim, meus caros, ando mesmo noveleiro nesses meus dias de folga...

Postar um comentário