23.5.07

O tempo e a traça...

Revirando as gavetas, numa daquelas arrumações intermináveis que todos evitam ao máximo começar, encontrou o pedaço de papel de carta. Faltava a parte de cima, e logo percebeu que uma traça havia saciado sua fome por ali. Todo o primeiro parágrafo daquela carta agora não existia mais. Penalizou-se ao notar que aquela parte de sua história havia sumido. E pôs-se a ler o que o tempo - e a traça - tinham poupado...
"Então, te pego no colo e olho em teus olhos tristes. Olhos de quem não teve um bom dia. Tento confortar, arrancar ao menos um (esboço de) sorriso dessa boca linda, tão boa de beijar e de ver rindo. Quero ouvir sua voz novamente alegre, com aquele astral bom que só você tem.
Quero te ver feliz. Te fazer feliz. E ser feliz contigo."
Guardou no bolso o resto da carta. Sorriu, olhando para o porta-retratos na estante. Lá, seus olhos e aqueles outros olhos irradiavam apenas alegria. A prova de que o tempo repara tudo. E põe no lugar certo tudo o que deve ser posto.
Postar um comentário