4.7.09

Mais um absurdo em um hospital público...

Estou indignado com a história do médico que se negou a prestar atendimento a uma grávida em estado de emergência e, pior que isso, rabiscou no braço delao nome da maternidade e o ônibus que ela deveria pegar para, finalmente, ser atendida.
A criança não resistiu. Foi retirada morta do útero da mãe.
É sério! Fiquei muito indignado com a conduta desse cara! Merece ser demitido, ser exonerado e perder o direito de exercer a profissão.
Fala-se muito do caos na saúde pública e fala-se muito dos baixos salários dos médicos. Acho que há bons argumentos sustentando tudo o que se diz a respeito dessa dura realidade do sistema de saúde no Brasil. Mas também há que se falar sobre o despreparo de muitos dos médicos que trabalham em hospitais públicos, do total descaso com o sofrimento humano - de pacientes e familiares; e da falta de vocação para o exercício de uma profissão que exige capacidade para lidar com o público. E não me venham dizer que tudo isso se justifica pelo pagamento de salários vergonhosos, porque sou um ferrenho crítico dessa história!
Minha vó morreu num hospital público. Para poder vê-la viva pela última vez, já desesperado com a falta de informações e com o descaso dos funcionários, precisei entrar na enfermaria e, ao pedir ajuda à atendente, passei por uma situação absurda: a mulher me pediu que aguardasse, virou-se para o lado e começou a beber refrigerante. Só depois de dois goles ela se voltou pra mim e me olhou nos olhos, não antes que o segurança se compadecesse da minha situação e me desse a informação de que eu precisava, mesmo não sendo essa a sua atribuição.
Pensei em denunciar a situação, mas a dor, a tristeza e a surpresa com a morte da minha vó não me deixaram pensar direito na época. Mas acho que todos devemos reagir a situações desse tipo. Pagamos o salário de todos esses sujeitos e devemos exigir um tratamento digno! Se cobramos postura e decoro de políticos, devemos cobrar o mesmo de todo e qualquer tipo de funcionário público.
Sobre o caso da grávida que perdeu o filho por negligência, o prefeito do Rio promete punição severa aos responsáveis. É o que espero que aconteça. E deve ser o desejo de todos aqueles que querem uma sociedade melhor, na qual o cidadão seja, de fato, respeitado e honrado como o responsável pelo sustento de tudo o que é público.
Postar um comentário