17.8.08

Da série: Pequim é aqui! 9

Considerações sobre a manhã em que a medalha não veio...ou, carta a um campeão...


Passei a noite em claro. Queria ver o vôlei feminino, mas, no fundo, tinha era medo de dormir e não conseguir acordar cedo pra ver as estrelas brasileiras brilharem nas finais da Ginástica Artística.
Quando o romeno Marian Dragulescu caiu feio durante a rotina, abri um sorrisão e cheguei a ver a medalha dourada brilhando no pescoço do nosso Diego Hypólito. Embora o ginasta brazuca tenha exibido um certo excesso de confiança no próprio taco em algumas entrevistas - sim, vez ou outra ele me pareceu um pouco presunçoso pra quem está diante de uma pedreira chamada Olimpíada - é claro que a minha torcida era dele.
E continua a ser.
Porque os gigantes também caem, Diego. Os fortes também têm suas fragilidades e, por mais que nos revolte, é a capacidade de errar - e aprender com base nessas falhas - é que nos faz diferentes das máquinas. A tua cara de dor e desespero, tuas lágrimas e o choque diante da própria queda dão a exata dimensão da seriedade, do esforço e da batalha que você tem travado para estar no lugar em que está. No alto. No topo da Ginástica Artística Mundial.
Mas hoje não foi seu dia, como também não foi o de Jade, nem o de Daiane. Como não foi o do Dragulescu. Hoje, o brilho estava reservado para o chinês Zou Kai, irretocável, diante de todas as pequenas imperfeições. Irretocável, mas sem o peso do favoritismo que pode ter pesado sobre o nosso campeão mundial.
Acho o esporte - em geral - belíssimo. E cruel. Ver alguém frustrado, diante de um detalhe que pode lhe custar quatro anos de empenho é algo que me parece muito pesado; um peso que não sei se suportaria carregar. Por isso, ver o Diego chorar, e, mais que isso, pedir desculpas aos brasileiros, é triste. É sinal de que há nele um compromisso que falta a muitos dos heróis do futebol, a tal paixão nacional. E é sinal, sobretudo, de que estamos diante de um campeão que sabe da importância de seu exemplo para toda uma nação.
Diego, cabeça erguida, rapaz! Nos vemos em Londres!
Postar um comentário