22.8.08

Da série: "agora a coisa vai!!!" 7

Fazer piada com o Horário Eleitoral é mais velho que andar pra frente. Pudera...o programa é uma fonte inesgotável de graça para os espectadores mais atentos...
Nessa temporada, uma novidade: todos os programas, independentemente de partido e/ou candidato, apresentam legendas. Bacana, a iniciativa é de fundamental importância para os eleitores surdos. O problema é que a velocidade das legendas é pautada pelo tempo (sempre ele!!!) que cada candidato tem na TV. Ou seja: candidato nanico tem aquela legenda-foguete, que passa correndo pela tela, deixando o eleitor sem ler nadinha! E olha que hoje foi a propaganda dos prefeitáveis. Imagina no programa dedicado aos candidatos à Câmara Municipal...
Outro ponto que me chamou a atenção foi a repetição de um mesmo modelo de campanha / discurso. Algo estabelecido há muitos anos, há muitas campanhas e que, a menos ao meu ver, não deu certo. Apresentar, cada um de um jeito, propostas mirabolantes para a trinca saúde-educação-segurança é um lugar-comum que todo mundo já conhece. E que estimula um questionamento: se todos sempre têm uma solução para os males da cidade, porque esses males permanecem? Por incompetência de TODOS os que já passaram pelo cargo ou porque esses problemas não têm solução-mágica-colorida-e-em-computação-gráfica?
Aliás...alguém já viu o tal do veículo leve sobre trilhos passar por algum lugar aqui do Rio? Ele já foi astro numa dessas campanhas. Não era feitiçaria, era tecnologia! Tecnologia pra vender candidato e não pra transportar o povo. Pura magia dos marqueteiros!
Mágica, aliás, é o que os candidatos a vereador mais fazem. Com pouquíssimo tempo (sempre ele!!!) para darem seus recados - curiosíssimos, muitas vezes - esses candidatos são um caso a parte. A, digamos, falta de ineditismo que paira na campanha para a prefeitura também assola os que sonham em representar o povo na Câmara. E aí, meus caros, é um tal de "segurança, saúde e educação; fulano de tal é a solução!" que ninguém aguenta!!! Sofrível mesmo! Sem falar nos candidatos que exibem uma ampla, total e irrestrita falta de habilidade com a câmera - e/ou com a leitura do texto. Assusta!
Aliás, assustado mesmo eu fiquei ao saber que o senhor que vende pipoca na frente do meu trabalho é candidato. Nenhum preconceito, mas juro que ainda vou tentar ouvir dele quais são as propostas para um suposto mandato. Só espero não me deparar com algo como: "pelo bacon mais barato e pelo fim das pipocas de microondas!!!"
Aí seria demais pra mim...
Postar um comentário