25.4.08

Quando o melhor já passou...

Então é isso: ficou definido em algum lugar que a felicidade não caberia naquela história. Determinou-se, sabe-se lá quem e como, que os destinos de duas pessoas tão próximas deviam permanecer apartados, mesmo quando todas as semelhanças e coincidências pareciam gritar que o melhor a fazer era unir aqueles caminhos numa única estrada...
Então, fez-se cumprir aquela sina. A sina de quem sofre, chora e sente falta de um amor que sofre, chora e sente falta de um (outro) amor. A sina do desencontro, do descompasso e de um amor que não arrefece jamais; só se mostra maior, mais vigoroso e verdadeiro.
Por vezes, olhava como cruel demais aquele desfecho. Em outros instantes, gostava de pensar que aquele ainda não era um desfecho. E sempre, sempre que pensava no assunto - e era das coisas que mais fazia na vida - tinha a certeza de já ter experimentado o melhor que a vida pode oferecer a alguém que, nesses tempos tão insanos, busca apenas o amor...
Postar um comentário