7.4.08

Gota d'água*

As mãos sentiam a areia molhada e fria quando se sentou para olhar o mar. Imenso, expressão de uma força máxima que nunca deixa de operar. E que, naquele momento de fraqueza, queria ter por modelo.
Em sua mente, a força era a das lembranças. No peito, forte era a dor da saudade.
A praia estava deserta, o que lhe era indiferente. Agora, voltara a ser sempre só, mesmo quando cercado da maior e mais barulhenta das multidões.
O mar estava cinzento, como o céu e sua mente. Os pensamentos eram um emaranhado de lembranças, boas e más; um turbilhão de recordações contra as quais era impossível nadar.
Afogado nas próprias memórias, deixou-se ficar ali, a contemplar a incansável dança das ondas. Foi quando decidiu que, naquele estado, seria prudente evitar novos mergulhos...
* O título do post foi uma sugestão do meu amigo Diogo, que teve a paciência de ler antes...
Valeu, Diogo!
Postar um comentário