6.2.09

Um gênio chamado Bibi...

Vitalidade. É isso que tive o prazer de ver Bibi Ferreira esbanjar na noite de ontem, no palco do Teatro Clara Nunes. Em cartaz com Às favas com os Escrúpulos, a atriz de quase noventa anos enche os olhos da plateia e prova que o tempo tem lhe tratado muito bem.
A peça, de Juca de Oliveira e dirigida por Jô Soares, conta a história de uma mulher que, depois de 43 anos de vida em comum, descobre que está sendo traída pelo marido, um homem que julgava ser um exemplo de integridade. Detalhe: ele é um influente senador da república! E, em meio à crise conjugal, Lucila (Bibi Ferreira) descobre que a falta de integridade do marido não se limitou à vida conjugal...
O texto brilhante de Juca de Oliveira é extremamente atual, cheio de referências a fatos e personagens reais - Bibi chega a citar José Sarney como presidente do Senado e Sarney foi eleito na última quarta-feira! Sobra humor ácido, irônico e, claro, crítico, que arranca gargalhadas do público ao escarafunchar os meandros da vida pública de deputados e senadores. Uma das cenas mais emblemáticas é o momento em que, completamente bêbada, a personagem de Bibi se põe a criticar os gastos para manter um gabinete de senador, debochando da quantidade de assessores - 30!!! - que a lei brasileira destina a cada parlamentar ("O Obama, presidente dos Estados Unidos, tem quatro assessores! Quatro personal advisors! Quatro!"). Na cena, ela ainda simula um pronunciamento em plenário. Algo realmente hilariante!
Todos os atores estão bem na montagem, prova de que Jô Soares soube executar o que o autor propunha no texto. Gracindo Jr. e Bárbara Paz se destacam, mas há também o jovem Daniel Warren, que faz o neto de Bibi e tem cenas interessantes com a avó.
Mas é Bibi que brilha no espetáculo que se estende por duas horas que parecem voar. Leve e ágil em cena, de um jeito que chega a impressionar, a atriz emociona e faz rir e deixa claro para todos que o teatro é seu habitat natural. Dona de voz firme e dicção perfeita, arranca muitas gargalhadas do público ao dar vida à professora aposentada que se vê diante de um grande dilema ético.
Um ótimo programa, que eu recomendo muitíssimo. Até porque poderia ser apenas mais uma peça, mas quem vai assistir sai do teatro com a impressão de ter ganhado de lambuja um show de talento e um exemplo de vida. E posso dizer, desde ontem, que os gênios existem! E que tive o privilégio de ver um deles atuar em plena forma...
Postar um comentário