4.2.09

Sobre a eutanásia de Eluana Englaro...

Eutanásia e suicídio são tabus no mundo todo. Basta ver que são raras as notícias sobre casos de pessoas que resolveram tirar a própria vida. São situações delicadas que, acho, merecem mesmo ser tratadas com discrição.
Mas o caso da italiana Eluana Englaro, que veio a público, joga mais uma vez luz sobre as discussões em torno da eutanásia. Em estado vegetativo desde 1992, Eluana, de 32 anos, foi transferida para um hospital para que possa morrer. A família pede silêncio e respeito nos últimos dias da filha. Mas a polêmica também veio no pacote...
O Vaticano, claro, tem marcado posição contrária à decisão da justiça, que autorizou a família a desativar os mecanismos que mantêm Eluana viva. Por outro lado, grupos pro-eutanásia também têm se manifestado e encaram o caso como uma espécie de abertura de jurisprudência no tema.
Cá do meu cantinho, felizmente longe de experimentar um drama desse porte, fico um tanto assustado ao ler que, para que o martírio da jovem italiana possa chegar ao fim, ela terá a alimentação e a hidratação suspensas. E, ainda assim, seu organismo deve resistir por mais 15 dias aproximadamente. Ou seja: Eluana vai morrer de fome e sede!
Primitivo demais, não? Sem contar que nem os médicos podem precisar se haverá ou não dor nos momentos finais da "vida" da italiana.
Como leigo, posso dizer que o desfecho do caso me parece muito doloroso. Um fim barra pesada para alguém que, há 17 anos, está no chamado estado vegetativo.
E você? O que pensa a respeito, hein?
Postar um comentário