18.2.09

E eu fui ao Capão...

Na segunda, passamos o dia na região do Capão Redondo, na Zona Sul de São Paulo, uma das localidades mais pobres e violentas do município. Entramos numa das favelas pra fazer imagens e fiquei impressionado. Primeiro, com as condições de vida(?) das pessoas que habitam aquela comunidade, algo de que estamos todos carecas de saber, mas que ganha outros contornos e matizes quando somos nós a entrar naquele mundo.
Ver o esgoto a céu aberto, o lixo espalhado no valão que corta a comunidade, os becos e vielas sem ventilação e o campo de futebol contaminado pelo esgoto que transbordou na última enchente me fez pensar na total ausência de poder público ali. Enquanto gravava a passagem, podia ouvir pessoas - indignadas - balbuciando velhas reinvindicações que, óbvio, jamais foram atendidas. E que talvez nunca venham a sê-lo...
Tudo muito triste...
O bacana é ver que, mesmo num local pra onde sempre olhamos para pontar as ausências, há coisas boas acontecendo. E foi uma delas que nos levou até lá: a Casa do Zezinho, uma organização não-governamental com um trabalho calcado na arte, e que já atendeu mais de 10.000 crianças e jovens da região. A matéria, é claro, vai ser exibida em breve, lá no Salto.
PS.: A foto que ilustra o post é a representação da comunidade, feita pelas crianças lá da Casa do Zezinho.
Postar um comentário