14.5.06

Pra ela...

Até hoje ela conta, vira e mexe, que passei da hora de nascer. Que estava sentado em seu útero. Conta das aflições de quando engoli uma moeda que quase me matou, e de quando me afoguei na piscina.
Até hoje ela se preocupa quando saio. É capaz de me avisar pra não aceitar nada de estranhos; sem notar que o menino de tempos atrás já é um homem de 25 anos! Até hoje noto o brilho em seus olhos toda vez que algo de bom me acontece, como da primeira vez em que ganhei uma estrelinha na escola por ser bom aluno.
Quando meu pai faltou, fez-se duas, quatro...mil! Para que não me faltassem o carinho nem os motivos para sorrir; pra que os maus caminhos não mudassem o meu destino. E batalhou. Batalhou muito pra me dar conforto, pra me dar educação. Quando falhei e não ouvi seus conselhos, resignou-se. Depois, sofria junto comigo as conseqüências, ciente de que era aprendizado meu.
Olho pra ela e sinto todo o amor que tem me dedicado ao longo de todos esses anos. Só no olhar sinto também que é quem mais presta atenção em mim; quem mais torce para que as coisas tomem sempre os melhores rumos. Olho pra ela e vejo alguém que dedicou a vida toda a me preparar, a me ensinar as regras do jogo da vida.
Olho pra ela, minha mãe, e vejo um exemplo de mulher, de filha, de amiga. Vejo quem mais me ama nesse mundo, e quem eu mais amo também.
Alguém a quem eu também não quero deixar que faltem os motivos pra sorrir...
Mãe, parabéns pelo seu dia!
Parabéns, também, a todas as mamães que passarem aqui hoje!
Bjs!
Postar um comentário