7.4.06

7 de abril

Quando criança, meu pai me deu de presente uma caixa de som e um microfone. Ele já tinha observado que eu gostava de "brincar" de Jornal Nacional, e que prestava muita atenção no que diziam os apresentadores. Com os amigos, também era minha brincadeira preferida...
Cresci e, quando chegou a tenebrosa época de escolher uma carreira, não sofri. Minha escolha já estava feita desde sempre! Mas acabei convencido por argumentos que me pareciam bem práticos: jornalismo não dá dinheiro, a relação candidato/vaga é muito grande, não dá pra crescer na carreira sem ter um QI - o popular Quem Indica. Bom, fui vencido pelo cansaço. Prestei vestibular pra História - outra grande paixão. Só fui até a segunda fase. Até que resolvi que minha praia era mesmo Comunicação. Comecei fazendo publicidade - motivado pelas garantias de meus conselheiros de que essa carreira dava "muito mais dinheiro". Mas não dá pra fugir do destino - e nem das grandes paixões. Um ano depois, já estava fazendo um estágio em que vivenciava o dia-a-dia da produção de um telejornal. E, passados dois anos - ainda na faculdade, mas já matriculado no curso de jornalismo - já estava trabalhando na TV.
Hoje, com quase seis anos de carreira, olho pra trás e vejo que fiz a escolha certa. Sou apaixonado pela minha profissão e pela possibilidade de, através dela, contar histórias. Os argumentos de meus conselheiros, descobri depois, não estavam tão errados. Mas dinheiro e dificuldades não são tudo na vida. Quando se é feliz fazendo o que se gosta, todo o resto parece muito pouco. E as coisas acabam conspirando ao seu favor.
Hoje, 7 de abril, é dia do jornalista. Por isso essa viagem no tempo...
Um grande abraço a todos os "coleguinhas" que, atolados nas redações, muitas vezes nem podem comemorar essa data. E abraços, também, aos meus amigos de trabalho, de faculdade...de vida!
Parabéns pra nós!
Postar um comentário