6.7.07

Pé-de-pato-mangalô-três-vezes!!!

Sentiu um frio no estômago de repente, e a sensação vinha acompanhada de um arrepio que tomou conta de todo seu corpo. Um mal estar, pensou, tentando naturalizar algo que não tinha nada de natural. Esforçava-se para pensar em outra coisa quando viu aquele olhar em sua direção. Um olhar ruim...mas o que poderia haver ali? Ódio? Despeito? Inveja? Não soube, e jamais saberia. Tinha apenas a certeza de que aquele olhar lhe faria mal. Era um olhar de alguém de quem, definitivamente, não poderia esperar coisas boas.
Estranhamente, suas energias foram embora. O desânimo aumentava e a festa já não tinha mais graça, as pessoas já não pareciam mais tão agradáveis como antes; a música alta agora era motivo de irritação. Tirou um retrato antes de ir embora, derrotado por aquele olhar-vampiro que lhe havia tomado as forças.
Ah, a foto: nela aparece como que contrariado, sem sorrir, sem a menor inclinação a uma expressão de felicidade, que seria natural uma vez que estava rodeado por pessoas queridas. Mas não eram todas: lá também estava, em outra extremidade, a pessoa de quem havia partido aquele olhar ruim que estragou sua noite. Olhar ruim ora eternizado na fotografia guardada dentro de seu guarda-roupa. Com aquele pedaço de papel na mão, teve a mente invadida por uma série de pensamentos...
Triste de quem vive a vida deixando escapar as chances de ser feliz. Triste de quem enxerga nos outros defeitos que, na verdade, são seus. Triste de quem não sabe amar de verdade: sendo e fazendo alguém feliz. Triste de quem tem o que não merece e, ainda não, não se dá por satisfeito. Triste de quem tem inveja de quem nem se dá conta de sua existência. Triste de quem faz de seus problemas barreiras intransponíveis e desperdiça as chances de crescimento. Triste de quem não reconhece os próprios erros e não os aproveita como oportunidades de crescimento...
Pensou tudo isso e guardou a foto junto de todas as outras, nas quais aparecia sorrindo e cercado apenas por pessoas amadas e de alto astral. Por que resolveu guardar aquela pose? Para se lembrar que no mundo há gente má, que torce pelo mal dos outros. E para se lembrar, também, de que um único olhar é muito pouco diante de toda a força, a energia e o astral de seus sorrisos verdadeiros em todas as outras fotos, e em todas as demais que ainda estariam por vir...
Postar um comentário