1.11.06

Paciência*

Olhou para o relógio e viu que precisava esperar mais quinze minutos. A hora estava marcada, sabia que iria chegar. Mas era preciso esperar aquele tempinho restante. E pôs-se a pensar nas esperas que a vida nos impõe...
Já esperamos desde o início: o filho, para nascer; a mãe, para parí-lo. Esperamos para aprender a andar, a falar; enquanto nossos pais esperam nossas primeiras palavras. De esperas também é feito o tempo da escola: por novos aprendizados, por testes e provas fáceis, por notas azuis no boletim no final do ano.
Esperamos pelo primeiro amor - que, em geral, vem quando menos se espera. Ficamos ansiosos na esperança do primeiro beijo, do primeiro "eu te amo" dito com olhos de verdade. Da primeira vez - e de todas as outras vezes com quem é especial pra gente.
Há, também, quem passe a vida esperando por esse alguém especial, que parece brincar de pique-esconde. Brincadeira sem graça para quem espera, diga-se de passagem...
Depois, esperamos coisas boas: bom emprego. Bom salário. Boa vida. E nem sempre tudo vem junto. E quando finda a espera pelo emprego - porque não sabemos não esperar nada - tem início outra: por aumentos de salário. E pela vida boa que parece longe muitas vezes, quase inatingível.
Aí então, alguns formam família - talvez por puro cansaço de esperar sozinhos. E as expectativas são substituídas: soma-se o que se quer para si ao que se deseja aos filhos. Resultado: um mar sem fim de esperas...
E lá no finalzinho, quando a gente olha pra trás e vê que - invariavelmente - muito do que se esperava não aconteceu; é hora de descobrir que passamos tempo demais esperando que as coisas acontecessem por si só; sem colaborar para que elas, de fato, acontecessem. Mas pode ser tarde...pode ser hora de esperar...o fim.
Acordou do transe e olhou novamente no relógio. Ainda era preciso esperar treze minutos...pensou, por fim, que a vida é mesmo um exercício de paciência.
*a canção homônima de Lenine é genial. Aqui, você encontra uma versão 'acústica', do novo Dvd do artista, disponível no YouTube.
Postar um comentário