8.8.10

A vida é como o mar...

A vida é como o mar. Do mesmo modo que as ondas nunca deixam de bater, os acontecimentos se sucedem em nossa existência de uma forma tão natural que, por vezes, parece que nada ou ninguém é responsável por eles. Um equívoco. Assim como é preciso vento para que haja ondas, ações explicam muitos dos fatos que nos surpreendem em nosso dia-a-dia. Acertos e erros, todos naturais, a impedir que nossa existência se resuma a um interminável marasmo...
Confesso que, por vezes, prefiro a calmaria. Prefiro não me surpreender com situações inimagináveis, sequer nos piores momentos de desassossego íntimo. Prefiro não imaginar que mesmo as pessoas mais queridas podem - a qualquer momento - trazer sofrimento e dor. Preferências que podem parecer inocentes, eu sei. Mas honestas.
Quando vem essa onda de decepção, o efeito é meio devastador. É a tsnunami a destruir minha calmaria imaginária...
A vida é como o mar. E nós?
Nós podemos ser banhistas, aproveitar as delícias de um banho longo e cheio de momentos deliciosos. Podemos ser nadadores, desbravando as delícias desse mar e lutando contra ele nos momentos em que a maré não estiver tão calma.
Nesse mar, oscilo. Há momentos em que sou banhista e há períodos em que me faço nadador. Gosto dos dois papéis...
A razão? Não tenho vocação para afogado...
Postar um comentário