6.11.09

Amor naufragado no cais dos desencontros...

Acene. Acene pra mim e me diga adeus. Acene desse cais dos desencontros e me veja partir, seguir viagem nessa navegação errante pelos mares da solidão. Mares de águas traiçoeiras, escuras, sombrias...geladas como o vento que sopra em meu rosto. Geladas como são todas as coisas quando não tenho a você pra me aquecer...
Se você me acenar, prometo retribuir. Prometo olhar pra você se apequenando enquanto me afasto e tentar segurar as lágrimas pela viagem sonhada que jamais faremos juntos. Pelos planos que não chegaremos a executar e por toda uma infinidade de outros deles, que sequer poderemos planejar. Lágrimas pelos desvios de percurso gerados pelas minhas vacilantes mãos no comando do leme da nossa história...
Agora, passado. Passou nosso tempo, passou nossa chance. Passei batido sem reconhecer em você o tudo que eu sempre busquei sem encontrar em lugar nenhum. Segui viagem mar adentro e te deixei ali, no meio do oceano, gritando por um regresso que tardou muito. E quando voltei, era tarde demais: agora, se a vida ainda pulsa em você, vi que é ela que falta para levar adiante o nosso amor.
Nossa naufragada história de amor...
Postar um comentário